ANP CHUMBA AGENDAMENTO DO PROGRAMA DE GOVERO: GENERAL EMBALÓ A UM PASSO DA DEMISSÃO   |   O "PRESIDENCIALISMO" DE JOSÉ MÁRIO VAZ   |   Quem Ganha e Quem Perde Nesta Crise de Surdos?   |   2017 ano da reforma na administração pública e de trabalho   |   «Considero-me um cidadão político... cujo primeiro compromisso é com o país, a Guiné-Bissau» - Garante o escritor Fernando Casimiro “Didinho”   |   Rss Gazeta de Notìcias
Document sans titre
Economia
CCIAS APRESENTA FUNDO DA PROMOÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS - 30-09-2011

Share |

Article posté le 30-09-2011

A Câmara de Comercio Indústria, Agricultura e Serviços (CCIAS) no âmbito da parceria público e privada promoveu na terça-feira, passada o primeiro workshop de apresentação do Fundo de Promoção a Industrialização dos produtos agrícolas (FUNPI).

Este evento que decorreu em Bissau, juntou cerca de duas centenas dos associados desta organização entre empresários e pequenos comerciantes do país que fizeram a questão de testemunhar a apresentação do FUNPI que vai gerir os fundos recolhidos na cobrança de 50 francos CFA da exportação de cada quilograma da castanha de caju, que se estima em mais de sete bilhões de francos CFA.

Este acto que era tido como um fórum de apresentação do projecto e do seu estatuto a fim de permitir os associados se inteirarem ou conheceram melhor a organização e as normas que a regulam, virou uma assembleia em que alguns associados exigiram da direcção da CCIAS a apresentação do estrato bancário do montante já depositado. Alguns associados  denunciaram que registou-se a transferência de um montante estimado em cerca de um bilhão de francos cfa de um banco para outro, sem que os associados tivessem sido consultados previamente.

Usando da palavra no evento o presidente da CCIAS, Braima Camará disse que o país já entrou na fase de arranque para o desenvolvimento a longo prazo, sustentado que têm muito trabalho pela frente e as tendências macroeconómicas dão-lhes indicações de que estão no “caminho certo.”

Camará assegurou que estão empenhados em continuar as reformas e o fortalecimento do sector privado ao ritimo que lhes fez chegar ao ponto em  que se encontram, acrescentando ainda que é esse mesmo empenho, que irá determinar o interesse do investidor e que lhes fará avançar na implementação do seus programas.

“Quero manifestar a minha confiança no desenvolvimento dum sector privado local dinâmico, responsável e com uma base ampla. Acredito no papel construtivo e de complementaridade que esse mesmo sector pode desempenhar em parceria com o Governo, associações sindicais, comunidade civil e outras, na formulação e conceptualização de uma visão de desenvolvimento para o nosso pais”, disse o presidente da CCIAS que garante que “esta minha abordagem é feita na convicção de que saberemos ultrapassar os constrangimentos, querelas, principalmente os que referem a capacidade do nosso capital humano.”.

Este responsável afiançou ainda que no quadro do seu mandato vai contribuir para o dialogo entre os Sectores Privado e Publico, com vista a eliminação dos constrangimentos:

Braima Camará disse que o lançamento da iniciativa FUNPI  que isso vai acrescentar uma nova dimensão e novos meios para apoiar e desenvolver as pequenas e médias indústrias de transformação, assim como assegurar a produção de valor acrescentado e contribuir para a geração de empregos promovendo as actividades de pesquisa, formação e desenvolvimento tecnológico e a garantia ao acesso de financiamento bancário dos operadores económicos.

Camará disse no entanto que a sua organização beneficia deste impulso dinâmico e continua a crescer e a mobilizar os restantes sectores da actividade económica em torno da iniciativa, com o intuito de tornar o sector competitivo e capaz de criar mais empregos e gerar rendas maiores.

“Estando o Sector Privado determinado em prosseguir o desenvolvimento do sector de caju, como demonstrou o Governo na Conferencia Nacional do Caju em 2008, na adopção de uma estratégia nacional e na criação do instituto nacional do caju (INCA), dentre várias recomendações destaca-se limpar o caminho para um consenso entre o governo e a comunidade de doadores, priorizando acções de curto prazo, como o financiamento de pesquisa e vulgarização, precavendo-se da propagação da doença num pais com um sistema de produção de monocultura, controlo de qualidade / classificação de castanha , na perspectiva de maximizar o preço superior obtido no mercado mundial e permitir que a castanha guineense possa cumprir as normas fitossanitárias nos países consumidores, entre outros”, vincou.

Respondendo a algumas criticas dos associados e esclarecendo as dúvidas levantadas sobre a transparência na gerência deste fundo, Braima Camará explicou que este já se encontra nos bancos de Bissau, designadamente, o Banco da África Ocidental (BAO), Ekobanque, BDU e BRS.

Assana Sambú

 

COMENTÁRIOS
Document sans titre
E-mail:
Password:
 

Ainda não tem Área Pessoal?   » Registe-se
Esqueceu a password?   » Clique Aqui

0 Comentários

Pas encore de commentaire ajouté...
Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

 

 

   
ÁREA RESERVADA
 
Document sans titre
E-mail:
Password:
 

Ainda não tem Área Pessoal?   » Registe-se
Esqueceu a password?   » Clique Aqui

   
   
   
EDITORIAL
 
 
   
Document sans titre
   
 
Gazeta de Notìcias, 2009 © Todos os direitos reservados - Design by CHRISTDOWEB