ANP CHUMBA AGENDAMENTO DO PROGRAMA DE GOVERO: GENERAL EMBALÓ A UM PASSO DA DEMISSÃO   |   O "PRESIDENCIALISMO" DE JOSÉ MÁRIO VAZ   |   Quem Ganha e Quem Perde Nesta Crise de Surdos?   |   2017 ano da reforma na administração pública e de trabalho   |   «Considero-me um cidadão político... cujo primeiro compromisso é com o país, a Guiné-Bissau» - Garante o escritor Fernando Casimiro “Didinho”   |   Rss Gazeta de Notìcias
Document sans titre
Reflexão
GUINE-BISSAU: REFLETINDO EM NOME DAS GERAÇÕES FUTURAS EIS ALGO PARA PENSAR… - 06-10-2016

Share |

Article posté le 06-10-2016

Desde o início da sua história, a Guiné-Bissau tem sido sempre um país diverso. Se você ler os boletins culturais e/ou outras publicações emitidas pelas autoridades portuguesas durante a época colonial, descobre que o território que constitui a Guiné-Bissau era ainda mais diversificada na década de 1940 do que é hoje.

Após a independência, mais particularmente nos anos 80, as autoridades nacionais da Guiné-Bissau começaram a dar-nos uma falsa sensação de hegemonia cultural sob a capa de uma unidade nacional vibrante. Esta unidade nacional forjada, foi pensada para ser o para-fogo para uma sobrevivência política continuada que muitos descrevem como um regime “Unitário“, impulsionada para sustentar o seu poder e evitar abrir mão do seu sentido de dominância.

Refletindo muitos outros movimentos independentistas e partidos políticos em todo o continente africano, do ponto de vista ideológico e político, a Guiné-Bissau desafiou o multiculturalismo, que tem sido historicamente visto como o inimigo da hegemonia sociopolítica. Esta foi também a “porta de entrada” para a consolidação política do país, de acordo com a regra de um partido político e uma elite. Indivisível.

À medida que mais pessoas se tornam instruídas e academicamente formadas - graças a essa mesma regra política, para ser justo, - hoje, muitas das estruturas políticas e institucionais do país são incapazes de lidar com a sedição do multiculturalismo intelectual. Resultado: apreensão, desespero, falhas (muitas vezes reacionárias) ideias e ações políticas, todos com raízes numa matriz de cultura política que igualam a Guiné-Bissau a um partido único.

Agora, há muitas décadas, todas as estruturas políticas e administrativas da Guiné-Bissau foram interligadas através de um nível simplista de abordagem do poder centralizado, sem dúvida, ligada por uma cultura de não prestação de contas à população em geral. Ter esquecido ou ignorado esta ligação umbilical ao passado político, manifestações, como a diversidade, etnicidade, práticas religiosas, tradicionalismo e multiculturalismo, todos parecem ter perdido seu significado e importância. Para ser franco, os políticos optaram por esquecer ou obscurecer os seus próprios fundos étnicos e culturais, ricos, em prol da hegemonia política, muitas vezes, disfarçada de unidade nacional.

Todos estes desenvolvimentos políticos e fatos históricos impõem a seguinte questão:

já se perguntou por que Amílcar Cabral e outros grandes líderes do PAIGC foram capazes de se unir com sucesso numa ainda mais diversificada e menos instruída Guiné Portuguesa na década de 1960?

À medida que procuramos respostas, muitos de nós caímos sobre questões da unidade política como o caminho mais fácil para a saída. Mas, acredite-se ou não, a política de unidade acabará por emergir ou solidificar, mas será através de um processo natural demorado que vai levar anos para construir através da sensibilização e da educação, valorizando e respeitando as premissas essenciais de elementos sociais, culturais e religiosos das nossas sociedades.

Através de imagens históricas de vídeos e fotografias, muitos daqueles que têm seguido e estudado Amílcar Cabral podem tê-lo visto andando pelas tabancas em todo o território da província de Portugal. E aqueles que o estudaram dirão como Cabral estava com vontade de encontrar e recrutar camponeses para se juntarem à luta, ele não tentou forçar a hegemonia (cultural ou política) entre os guineenses. Pelo contrário, Cabral optou respeitar a diversidade e maximizar o seu potencial. Mais importante ainda, abraçou cada membro da população “indígena” da então Guiné portuguesa.

Além disso, tanto quanto eu fui inspirado por Cabral e aprendi com os seus ensaios, escritos e discursos, eu não ousaria reivindicar ser um especialista em “pensamento de Cabral” mas é amplamente conhecida a sua capacidade de construir pontes entre as zonas urbanas e rurais e, sobretudo, através de todas as etnias e origens culturais. Da mesma forma, ele realmente abraçou todas as ideias brilhantes dos poucos compatriotas que estavam academicamente e tecnicamente equipados e dispostos a dar o seu tempo e as suas vidas a uma causa comum maior - a independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde.

Na verdade, Cabral foi capaz de desafiar o pensamento convencional e - contra todas as probabilidades e desafios - ele conduziu campanhas políticas, diplomáticas e militares excecionais, que são muitas vezes referenciadas como os melhores exemplos de vitórias nacionais contra os poderes coloniais na África.

Agora, vamos avançar rapidamente para hoje e prepare-se para ser confrontado com uma nação muito pouco convencional cujas instituições estão dispostas a submergir nas águas lamacentas de intolerância política, juntamente com a ganância, corrupção e egoísmo.

Mas, lembre-se disto: Cabral teve muito menos recursos intelectuais e tecnológicos disponíveis para si do que os disponíveis hoje para nós. No entanto, ele conseguiu superar humildemente os desafios através da compreensão, compromisso, trabalho de equipa e sacrifício.

Como Guiné-Bissau esforça-se para encontrar um caminho viável para avançar, não devemos esquecer o preço pago por Cabral e outros, para que a Guiné-Bissau e Cabo Verde se tornem nações independentes. À luz desta luta da heroica e profunda luta pela liberdade, muitos dos nossos cidadãos, bem como a comunidade internacional pode estar a questionar se existem lições culturais, sociológicas e políticas que podem ser aprendidas a partir de um dos movimentos de guerrilha mais patrióticos e corajosos da África.

Estou absolutamente certo de que há muitas lições, se as gerações que se seguiram ousarem olhar ao redor e aprender com a história e com aqueles que ainda restam algures. E eu também estou absolutamente certo de que qualquer tipo de hegemonia não constitui uma pré-condição nacional e não vai levar a uma coexistência social e política pacífica. Como foi mostrado em muitos países, inclusive em África, o multiculturalismo pode ser compatível com unidade e democracia, desde que não se perca o espírito humano da humanidade e o sentido de humanidade e da comunidade.

Pode estar a questionar se os temas que acabo de expor aqui são as principais questões que impedem o país desenvolver. Se me perguntar, provavelmente responderia com um firme “não”. Na verdade muitos desses temas, os problemas, os desafios e as preocupações estão de tal maneira misturados que poderá ter dificuldades em compreender o alcance dos problemas com que a Guiné-Bissau se depara. No entanto, esta exposição – que reflete a minha opinião pessoal – pode oferecer alguns indicadores sobre a complexidade “sociocultural“ de uma turbulência política aparentemente interminável.

Assim, o desafio de encontrar todas as causas dos nossos problemas está em nós, todos nós. Mas, vai ter coragem de olhar em volta e desafiar-se a si mesmo, como um verdadeiro patriota, em nome de cada Guiné-Bissau, independentemente da sua origem social, cultural e religiosa ou vai estar disposto a deitar ao rio tudo pelo qual as pessoas que vieram antes, que nos representavam, lutaram e perderam a vida? E, encontrar todas as causas tem que começar com uma verdadeira compreensão do nosso tecido social - incluindo os valores e premissas - que dão sentido à nossa história e existência como uma nação pluralista.

Felizmente ainda não é demasiado tarde e a Guiné-Bissau vai ser capaz de falar em harmonia e a uma só voz, mas a medida do nosso progresso também deve contar com a riqueza das nossas opiniões, posições e ações.

Assim, mesmo falando em vozes diferentes, os nossos desígnios nacionais devem ser orientados para promessas muito nobres: dignificar o nosso povo, recuperar a confiança, elevar as esperanças e as aspirações das gerações que se orgulham de hoje como sendo os verdadeiros seguidores de Amílcar Cabral e muitos outros heróis. É imperativo lembrar que a nação pacífica e próspera com que sonharam e pela qual lutaram valeu os sacrifícios e morrer por ela.

 Nota: Umaro Djau é um jornalista da Guiné-Bissau e os seus pontos de vista e opiniões não refletem necessariamente as da CNN, sua empregadora.

Publicação: 14 de setembro de 2016 | GBissau.com

 

COMENTÁRIOS
Document sans titre
E-mail:
Password:
 

Ainda não tem Área Pessoal?   » Registe-se
Esqueceu a password?   » Clique Aqui

0 Comentários

Pas encore de commentaire ajouté...
Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão

Reflexão
- test - 18-05-2016

 

 

   
ÁREA RESERVADA
 
Document sans titre
E-mail:
Password:
 

Ainda não tem Área Pessoal?   » Registe-se
Esqueceu a password?   » Clique Aqui

   
   
   
EDITORIAL
 
 
   
Document sans titre
   
 
Gazeta de Notìcias, 2009 © Todos os direitos reservados - Design by CHRISTDOWEB