ANP CHUMBA AGENDAMENTO DO PROGRAMA DE GOVERO: GENERAL EMBALÓ A UM PASSO DA DEMISSÃO   |   O "PRESIDENCIALISMO" DE JOSÉ MÁRIO VAZ   |   Quem Ganha e Quem Perde Nesta Crise de Surdos?   |   2017 ano da reforma na administração pública e de trabalho   |   «Considero-me um cidadão político... cujo primeiro compromisso é com o país, a Guiné-Bissau» - Garante o escritor Fernando Casimiro “Didinho”   |   Rss Gazeta de Notìcias
Document sans titre
Sonho Guineense
Depois da crise política e institucional fazer o quê? - 19-09-2015

Share |

Article posté le 19-09-2015

Carlos Correia é o nome indicado pelo presidente do PAIGC, com aprovação do Bureau Político, como “candidato alternativo ao cargo de Primeiro-Ministro” (número 2 do artigo 40 dos estatutos do PAIGC). O Presidente da República, deu anuência e, a Guiné-Bissau tem um novo Primeiro-Ministro. Desta feita, um HOMI GARANDI, competente, experiente, de poucas palavras.

PAIGC está de parabéns, Domingos Simões Pereira, José Mário Vaz e todos quantos intervieram direta ou indiretamente para que se chegasse a esta feliz e agradável situação - fim da crise política e institucional.

Quatro vezes Primeiro-Ministro, Combatente da Liberdade da Pátria, VETERANO que goza de boa reputação tanto no seio do PAIGC como no país inteiro, idóneo e de honestidade irrepreensível, pode-se dizer que, sem ir a outros detalhes, Carlos Correia é o homem certo no lugar certo.

A grande questão que se coloca ante esta escolha, sendo o PAIGC composto maioritariamente por jovens, em que se destacam quadros de grande valia, é: Porquê Carlos Correia, um octogenário nesta altura em que se precisa de capacidades jovens para conduzir o país depois de ter sido abalado por várias crises?

Todavia a indicação de Carlos Correia deve ser analisada em duas perspetivas:

                        - Do PAIGC;

                        - Do Governo.

DO PAIGC

É óbvio demais, que Domingos Simões Pereira venceu o VIII Congresso em Cacheu mas, como dizem analistas políticos, “não ganhou o partido”. As diferentes sensibilidades que se perfilam no partido de Cabral, evidenciadas quer na preparação, quer no decorrer da reunião do órgão máximo, não se enquadram no ponto 1 do artigo 6º dos Estatutos que diz o seguinte:

“O PAIGC reconhece aos seus membros o direito de se identificarem com sensibilidades internas, compatíveis com os objetivos e a unidade do Partido, exigindo o respeito pelas decisões tomadas democraticamente nos termos dos presentes estatutos.”

Domingos Simões Pereira não obstante o seu Partido ter 57 deputados na ANP, quis prevenir eventuais desregulações que pudessem advir internamente susceptíveis de porem em causa o seu mandato. Daí se fundamenta, delegam observadores atentos, a sua opção de se socorrer particularmente à segunda maior formação política, PRS, e, aos restantes partidos com assento parlamentar para formar um “Governo de inclusão”, que lhe permitisse ter a estabilidade parlamentar ideal para cumprir a legislatura sem sobressaltos de maior. De facto, nos 12 meses subsequentes à constituição e empossamento do Governo não houve qualquer problema que dificultasse a governação, originado pelas partes.

Houve ganhos?

Sim mas, os pares do PAIGC na ANP também obtiveram ganhos substanciais ao resolverem algumas “dívidas eleitorais” com alguns apoiantes. Deve-se observar, que nem todas as “sensibilidades” concordaram com essa opção por entenderem que esse compromisso reduz as margens de manobra no tocante a satisfação dos compromissos eleitorais.

A crise institucional e política despoletada, devido a incapacidade do Presidente da República e o Primeiro-Ministro se entenderem em matéria de governação, veio evidenciar até que ponto o PAIGC está fragmentado uma vez que, em todas as estruturas da base ao topo os camaradas se dividiram e se subdividiram. Este aspeto pode não ser relevante hoje mas, daqui a algum tempo quando se avizinharem os preparativos para as eleições muita coisa invisível será vista literalmente.

Mais, a forma desastrosa como o poder foi gerido não obstante a mailoria absoluta, é preocupante. Porque foi evidente a incapacidade de controlar, gerir o Partido de forma a garantir que, na próxima legislatura haverá resultados no mínimo iguais ou, na melhor das hipóteses, mais substanciais.

Domingos Simões Pereira tem a tarefa difícil de harmonizar o PAIGC, estabilizar e tranquilizar as sensibilidades que enformam o Partido de Cabral. Depois da crise há que sarar as feridas e contemporizar com os mais melindrados.

Do Governo

Este veterano do PAIGC, Carlos Correia, pode ser dentre as alternativas que podiam ser apresentadas, a figura consensual das sensibilidades, todas.

A escolha de qualquer camarada, na impossibilidade do presidente seguir a ordem de precedência, conforme recomendam os estatutos, podia reacender o rastilho de complicações desaconselhável para o PAIGC nesta altura em que precisa de recarregar as baterias para recuperar não só a imagem, mas também o tempo perdido para implementar o Programa do Governo.

Em duas situações o PRS revelou-se exímio no aproveitamento das fragilidades do seu grande opositor, obtendo as pastas ministeriais e as instituições que lhe interessavam. Se não obteve todas, pelo menos obteve uma parte significativa. No entanto observe-se que a sua maior jogada foi feita ao aceitar assinar o Pacto de Estabilidade Governativa que permitiria o Governo liderado pelo ex-primeiro ministro Baciro Dja, caso não fosse a decisão do STJ, governar até ao fim da legislatura em 2018.

O novo Primeiro-Ministro, certamente que não colocará de lado os quadros válidos capazes de contribuírem para que os ganhos da Mesa Redonda de Bruxelas sejam devidamente aproveitados. Nisso valerá a sua experiência capitalizada aquando da sua passagem no Ministério das Finanças e não só.

Agora, não acreditamos que, como se haverá um suposto GOVERNO SOMBRA que conduzirá o país enquanto o oficial dirigido pelo HOMI GARANDI se limitará aos atos administrativos mais leves. Porquê? Simplesmente porque Carlos Correia, apesar da sua idade dá mostras de uma grande lucidez e, ser o dono das suas ações. Assistimos diversas vezes as entrevistas que tem dado aos Media,  foram absolutamente impecáveis.

Pela sua forma de trabalhar sabe-se que o novo Primeiro-Ministro é tranquilo, ouve, dá oportunidade aos jovens, e sabe lidar e trabalhar em situações de alta pressão. Todavia, o seu sucesso dependerá da forma como estruturar o seu gabinete, quem serão os membros. Também dependerá da forma como encarar a pressão dos “Camaradas” do Partido cujas mistidas (assuntos) são diversas e infinitas.

Não vamos dar qualquer palpite porque o novo Primeiro-Ministro dispensa-os. Mas, nem por isso há que deixar de apoiá-lo.

Aconteça o que acontecer, fazemos votos para que as instituições funcionem devidamente com base no respeito integral das leis do país.

Humberto Monteiro

 

COMENTÁRIOS
Document sans titre
E-mail:
Password:
 

Ainda não tem Área Pessoal?   » Registe-se
Esqueceu a password?   » Clique Aqui

0 Comentários

Pas encore de commentaire ajouté...
Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

Sonho Guineense

 

 

   
ÁREA RESERVADA
 
Document sans titre
E-mail:
Password:
 

Ainda não tem Área Pessoal?   » Registe-se
Esqueceu a password?   » Clique Aqui

   
   
   
EDITORIAL
 
 
   
Document sans titre
   
 
Gazeta de Notìcias, 2009 © Todos os direitos reservados - Design by CHRISTDOWEB